domingo, novembro 5

Urgência de Ortopedia (2)


É espantoso o que se escreveu link. É espantosa a facilidade com que se tenta passar por vítima e rapidamente eleger algozes.
Desde há vários anos a urgência traumatológica tem sido assegurada por ortopedistas do hospital do Outão no Serviço de Urgência do Hospital de Setúbal. Salvo os grandes traumatizados que necessitam de cirurgias emergentes, a prática tem sido a adopção da urgência diferida. Ou seja, o que agora se reclama como tendo acabado com a criação do Centro Hospitalar, nunca se praticou.
Durante todos estes anos, poderão contar-se pelos dedos de uma mão as vezes em que um idoso com fractura do colo do fémur foi imediatamente operado, como é preconizado como boa prática. O procedimento sempre foi transferir o doente para o Hospital do Outão onde é posteriormente operado de acordo com a disponibilidade do Bloco Operatório, com os prejuizos e morbilidade aumentada como é obvio. Mas faz-se parecer que só agora é que isso se passa. É mentira. Sempre foi assim. O que se passa é que só agora existem condições para que tal suceda, assim haja vontade e não se levantem entraves das partes envolvidas, o que passa também pela disponibilidade dos médicos, que parece que é cada vez menor.
É facil e popular acusar a criação do Centro Hospitalar de dificultar procedimentos, que nos querem fazer crer, serem os habituais, por aumento da burocratização e diluição de responsabilidades, que só poderão acontecer se cada um não assumir as próprias. O que existe é um sentimento evidente de orfandade por parte do Hospital do Outão que, afinal, perdeu o seu presidente do CA para o Centro Hospitalar, só que este agora está baseado no Hospital maior e com grandes problemas a necessitarem de resolução urgente.
É pena que não se tente construir, mas sim minar qualquer sinal de mudança, que, como todas, necessariamente mexem com alguns interesses instalados.
Os jornalistas deveriam estar mais atentos e informados sobre o que escrevem. Mas isso não conta.
xerife

8 Comments:

Blogger naodamais2006 said...

Porque é que o Dr Pisco e a sua equipa estão com medo da queda do CC?

11:44 da tarde  
Blogger tonitosa said...

Como não tenho conhecimento desta reaslidade, só me ocorre dizer: viva o Xerife. Afinal há Xerife!

5:47 da tarde  
Blogger ricardo said...

Parece que está a acontecer um deficiente enquadramento do pessoal da saúde face às reformas que estão a ser implementadas.

Há uma incapacidade desta equipa ministerial e dos conselhos de administração nomeados em promover a motivação do pessoal da saúde de forma a aderirem aos projectos em curso.

O saldo entre apoiantes e opositores tem vindo a agravar-se.

5:58 da tarde  
Blogger alerta said...

Não estou a entender bem!
Xerife concorda que haja centro hospitalar e que os doentes aguardem tratamento, tal como acontecia anteriormente, ou que haja Centro hospitalar para os doentes serem tratados em tempo útil?
Com Centro ou sem Centro os doentes têm o direito de ser tratados em tempo útil, como diz o povo e bem, paga para isso! Se é para continuar na mesma não mexa Prof. Correia de Campos, sempre que mexe é para gastar mais e mais mal gasto (Urgências, Cordeiro,...)!

7:10 da tarde  
Blogger deserto said...

O título "Urgência de Ortopedia" é por demais sugestivo para voltar a falar do HIDP e seu CA presidido por Luís Delgado irmão de Manuel Delgado.

O serviço de Ortopedia do HIDP, ao logo da sua existência (+- 30 anos), organizou-se de tal de forma que tinha o privilégio de poder prestar assistência ortopédica em tempo útil a qualquer utente que procurasse o serviço do HIDP. Não havia lista de espera para a consulta externa, nem para tratamento cirúrgico em 2005.

O serviço de ortopedia do HIDP tratava toda a traumatologia no Serviço de urgência.Para além dos doentes do foro traumatológico serem tratados em tempo breve com todas as vantagens clínicas, o tratamento cirúrgico dos utentes da consulta externa podia ser devidamente programado, usando o bloco operatório nos tempos de rotina previamente atribuídos.

Após a revogação do decreto-lei do pagamento das horas extraordinárias, os médicos do serviço de ortopedia do HIDP, depois de devidamente informado e alertado o CA, deixaram de estar presentes 24h por dia 7 dias na semana na urgência. Passaram a cumprir o obrigatório por lei.

Durante um fim-de-semana de Setembro a urgência de Ortopedia ficou deserta. O CA contratou uma empresa de transportes e foi um vai – vem, Aveiro-Coimbra, Coimbra – Aveiro! Sofre povo!

Nesse fim-de-semana os médicos do serviço foram aliciados a cumprir horário extraordinário ao preço hora que pedissem!

A tutela insatisfeita exigiu que fosse feita uma escala de Ortopedia de Urgência 24h, 7 dias na semana. O CA do HIDP sem o acordo do Director de Serviço de Ortopedia, cumprindo cegamente ordens da tutela, alterou a escala de urgência do serviço de ortopedia em número de médicos por dia, utilizando internos como de especialistas se tratasse.
Ilegal a escala impossibilitou alguns médicos de comparecerem à urgência o que levou Luís Delgado a dizer à comunicação social que aplicaria as sanções devidas,ameaçando os médicos e tentando impôr autoridade, mais disse, que aguardava um pacote legislativo para fazer face à situação !

Não sendo de todo possível manter essa escala (procedimento disciplinar da Ordem dos Médicos?!), o CA contratou médicos externos no mês de Outubro a pagar 50 euros /h.

A tutela ficou satisfeita, gastando muito mais dinheiro, mas isso não importa, é preciso dar razão ao Ministro, para Manuel Delgado concordar!!!
Toda a organização do serviço de ortopedia do HIDP foi ignorada e todo o empenho de anos desprezado!

Os utentes que assistidos pelos médicos externos contratados na urgência do HIDP da escala do CA ficam sem consulta externa imediatamente marcada e os utentes que têm necessidade de tratamento cirúrgico, são internados para tratamento diferido.

São os médicos do serviço de ortopedia do HIDP abrangidos pela revogação do decreto que operam esses doentes durante a semana e são adiados doentes com a cirurgia agendada, com consulta de anestesiologia já efectuada, com as patologias crónicas equilibradas, com as reservas de sangue feitas e com toda a expectativa de vida dos utentes idealizada e programada.

Neste momento estão adiados mais de setenta doentes da cirurgia programada. Já existe lista de espera cirúrgica que entretanto pode ser tratada no programa de produção adicional do SIGIC, paga povo!

Porque é de todo deestruturante esta situação, ainda houve a insensatez do CA de convidar os médicos do serviço a constituírem uma empresa para poderem ser contratados para prestação de serviços e cumprirem as horas extraordinárias de urgência pagas por contrato a um preço mais alto do que o pré revogação do decreto! Uma minoria de médicos aceitou, a 75 euros à hora!!! Acentuou-se a promiscuidade e a necessidade de contratação de “estrangeiros”, não acabou!

Actualmente o Serviço de Ortopedia do HIDP está letárgico, cumprindo o que o CA pariu!

Tempos houve em que no HIDP o importante é que os doentes fossem tratados o melhor possível. Algumas vezes a tutela foi esclarecida de algumas ideias peregrinas vindas do “alto”e prevaleceu o senso que de melhor forma serviu a todos!Havia capacidade da quem geria e administrava o HIDP de partilhar e respeitar o saber fazer, com quem ao longo dos anos diariamente cumpria a missão de prestar cuidados aos utentes do HIDP.

Hoje a tutela impõe e é obedecida cegamente pelo CA incompetente que nomeou!
Quem presta actividade assistencial está a borrifar-se para a tutela e para o CA!
E o povo que se lixe!

9:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Que comentário merece isto que “deserto” acaba de descrever?
Só um:
Os nossos doentes não merecem estes incompetentes ou estes conscientes carrascos do nosso SNS. Basta, basta, basta !!!
E ainda há quem fale em corporativismo na classe médica.
É que tão consciente carrasco é quem contribui para que este delapidar do erário público exista como quem com ele colabora, aceitando trabalho a 50 ou 75 € à hora.
Caros colegas lamento dizer isto… Mas também há limites !!! Basta !!!

9:59 da tarde  
Blogger carago said...

naodamais2006 said...
Porque é que o Dr Pisco e a sua equipa estão com medo da queda do CC?
Mas o que é que esta questão da Ortopedia de Setubal tem a ver com o Dr. Pisco? E ele a a sua equipa hão-de estar com medo porquê?

9:29 da tarde  
Blogger coscuvilheiro said...

Há comentadores que apenas se preocupam em semear veneno.
Em vez de irem para o Jornal Público entendem que este é o melhor lugar para contarem histórias da carochinha ou lançarem suspeições sobre quem anda a trabalhar.
Deletadas é o que estas comadres coscuvilheiras precisam.

10:34 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home