domingo, julho 25

CHMT, gestão topo de gama


«Reduzir a despesa total com a frota automóvel, designadamente com as viaturas de serviço afectas aos administradores, relativamente ao valor executado em 2009». ponto n.º 10, despacho n.º 10760/2010
link

A provar que está nas tintas para os despachos da senhora ministra, a administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, segundo notícia do CM,
link decidiu adquirir dois Renault Fluence, com equipamento de luxo, incluindo estofos em pele, bancos aquecidos, GPS e faróis automáticos, para dois dos seis administradores, numa despesa total de 60 mil euros.

Já se sabia que alguns dos administradores hospitalares são uns parolos que não conseguem resistir às novidades do mundo automóvel. E que têm da autonomia dos hospitais do SNS uma interpretação muito pessoal.

Nota:
Se os AH do CHMT são seis e quatro já tinham viaturas topo de gama, adquiridas, suponha-se, em 2009, a aquisição de dois novos carros (sem outras despesas de monta relativamente à frota automóvel), configuraria uma redução da despesa total em relação ao valor executado em 2009. Não deixando de ser, na mesma, uma grande falta de vergonha.

drfeelgood

Etiquetas: ,

4 Comments:

Blogger ochoa said...

O problema de Portugal é profundo. Prende-se com o caciquismo instalado das concelhias, da igreja, das corporações e do poder local.
Nomeações à parte, a ministra da saúde vai ser obrigada a intervir se quiser moralizar o processo de poupança em curso.

1:38 da tarde  
Blogger Tavisto said...

Eu por mim acho bem. Afinal para rasca já chega a gestão de hospital. E, quem sabe, se os dois novos gestores não pertencerão à geração rasca que, à falta de melhores argumentos, exibia os dons naturais como argumento contra a política de educação rasca de Manuela Ferreira Leite. Não sejam mauzinhos, ao menos nos automóveis deixem-nos ser topo de gama.

3:12 da tarde  
Blogger Tiago said...

É verdade que existem muitos erros de gestão.
É verdade que existe muito desperdício nos hospitais.

Mas dizer que um automóvel de 30 mil euros é um automóvel de topo de gama, é demagogia. E a demagogia nunca contribui para um diálogo construtivo.

Podemos discutir se faz sentido os gestores terem carro fornecido pelo hospital: provavelmente não faz sentido terem.
Podemos discutir se questões de gestão de frota podem "obrigar" à substituição do carro: provavelmente obrigam...

2:29 da tarde  
Blogger Xico said...

Convém não confundir os membros do CA com administradores hospitalares. Ao que se sabe, nenhum dos membros do CA do CHMT é administrador hospitalar. Se calhar o mal é mesmo esse.

7:55 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home