quarta-feira, maio 10

De Louvar


Octávio Cunha, director do serviço de neonatologia do Hospital de Santo António, no meio da refrega que estalou depois da decisão de CC em mandar encerrar meia dúzia de maternidades que funcionavam sem condições de segurança, tem intervido de forma serena, sem medo de dar a cara, em defesa do ministro da saúde. Uma atitude de louvar num país de brandos costumes onde as figuras públicas privilegiam as actuações de bastidores ao recato dos maus olhados.

9 Comments:

Blogger tonitosa said...

Na verdade ainda não ouvi nenhum responsável de qualquer Hospital/Maternidade que se vão manter em funcionamento criticar a medida do Senhor Ministro da Saúde.
Parafraseando um amigo meu: piri-piri no "rabo" dos outros para mim é manteiga!
Estará o Dr. Octávio Cunha disponível para ir trabalhar em Lamego?
Isso, sim, era de louvar.

Que fique bem claro que sou dos que entendo ser necessário reorganizar os serviços materno-infantis do país...mas não acredito nas razões invocadas pelos responsáveis.
Por razões de falta de condições de segurança e de qualidade dos serviços prestado, temos (todos) razões para pensar que alguns hospitais nem sequer deviam estar a funcionar. E estão...e sobre esses não se fala!
E as soluções, colocada de parte a questão financeira, poderiam passar pela alternativa de criar condições de melhoria dos serviços instalados.
Em concreto, não acredito que não seja possível recrutar recursos humanos para Barcelos.

11:52 da tarde  
Blogger Dino_Sauro said...

Caro Tonitosa

O seu comentário é extraordinário. Francamente não sei que mais louvar, se a elegância da observação inicial, a inteligência da pergunta seguinte ou a isenção das últimas afirmações.
Quanto ao primeiro ponto passo adiante, por simples razão de bom gosto.
Relativamente ao segundo, e para ver se acorda, pergunto-lhe: acha que seria bom o Prof. Manuel Antunes deixar o Centro de Cirurgia Torácica dos HUC e instalar-se em Mirandela ou em Lagos para fazer cirurgia geral? Seria isso de louvar? Alguém ganharia com isso? E quantas vidas se perderiam?
Eu pensava que estava definitivamente enterrado esse tipo de demagogia. Na altura do PREC também houve uns maduros que, de livro vermelho debaixo do braço, fizeram publicar nos Hospitais Civis de Lisboa uma circular que obrigava os cirurgiões a limpar a sala operatória, depois de terminado o acto cirúrgico. Tiveram no entanto uma réstia de bom senso e vá lá que não reivindicaram o direito dos Auxiliares de Acção Médica fazerem operações. Já que não está em moda a luta de classes levantemos agora a bandeira do regionalismo. Não é Portugal um país de causas? De manifestações, de bandeiras, de slogans?
Que você diga mal dos políticos, pouco importa. É um desporto nacional, até se estranha quem o não pratica. Você queixa-se dos que estavam sempre prontos a criticar LFP mas faz o mesmo em relação a CC. Está no seu direito e sou o primeiro a compreender que quem está interessado na luta partidária o faça.
Agora que envolva nessa sua cruzada profissionais como Octávio Cunha já me parece demais. Acha que Octávio Cunha está ao sérvio de CC? Olhe que a sua posição é exactamente a mesma que teve durante o consulado de Leonor Beleza que, honra lhe seja, não quis saber da orientação política dos membros da Comissão de Saúde Materno Infantil e conseguiu desenvolver o plano de saúde com mais sucesso em Portugal.
Estude os números, compare, faça cálculos. Por detrás dos números há muitas mulheres que pariram com menos sofrimento e muito mais segurança, muitos meninos, que se salvaram, que cresceram sem sequelas, que hoje são crianças, adolescentes e adultos saudáveis.
Diz você “ sou dos que entende que é necessário reorganizar os serviços materno-infantis do país…mas não acredito nas razões invocadas pelos responsáveis”.
Para si, a solução é melhorar os serviços instalados. Ó Tonitosa, leia atentamente o post da Maria e veja se consegue entender alguma coisa.

7:26 da tarde  
Blogger joaopedro said...

Caro Dino Sauro
Desde início a missão do tonitosa neste blog é de intoxicar, lançar a confusão e deitar abaixo tudo o que não seja alinhável com o laranjal.

8:48 da tarde  
Blogger joaopedro said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

9:02 da tarde  
Blogger joaopedro said...

O tonitosa, incansável comentador da SaudeSA, sempre de atalaia a cada novo post para lhe lançar o seu comentário viperino em primeiro lugar, tornou-se um dos maiores astros da blogosfera.

A Google está mesmo a pensar em atribuir-lhe um prámio de primeiro comentador.

Para o tonitosa não há gestos puros e desinteressados, qualquer gesto obedece a uma estratégia mesquinha e, portanto, não aprecia, nem sabe identificar, quando se trata de posições nobres.

Para o tonitosa a personificação máxima da nobreza de carácter é o Patinha Antão.

Assim desta maneira, é o indivíduo certo para aferirmos o que aconteceria a este mundo se todos fossemos assim.

9:08 da tarde  
Blogger clara said...

Um grande abraço para este grande profissional da Saúde.

9:11 da tarde  
Blogger tonitosa said...

Dino_Sauro
Obrigado pelos seus elogios!
Para mim é muito claro: não estando em causa a honorabilidade do Dr. Octávio Cunha, ele não se sente atingido pela medida de encerramento de maternidades. Antes pelo contrário. Depois como membro da equipa que fez o estudo e proposta, jamais poderá estar contra.
O que, aliás, ontem confirmou. E ficamos a saber que afinal o estudo da ENSP não é sério. Filme aliás em reposição relativamente a estudos daquela escola ou outros que não vão de encontro às ideias do Senhor Ministro.
Já agora acrescento eu: que diferença há entre o H. S. João e H. Sta. Maria? Não recebem ambos os tais casos complicados? Porque apresenta o H. S. João maior taxa de mortalidade?
Dino_Sauro,
É evidente que no meu comentário procurei acentuar aquilo que me parecem ser "falsos argumentos" do MS para o encerramento, pelo menos de algumas das maternidades em causa.
Para que o seu bom gosto não seja deteriorado, substitua-se aquela minha nota, um tanto jocosa (reconheço) por este outro ditado: "ninguém é bom juíz em causa própria!
Quanto à ida para Lamego(?), você, obviamente, também, não fez a coisa por menos: pôs o Prof. Manuel Antunes a fazer cirurgia geral?!
Mas, em boa verdade, não temos nós, aqui ao lado, em Espanha, em cidades menores Clínicas altamente especializadas. E porque não termos alguns dos nossos "Manuéis Antunes" noutros centros que não Coimbra, Porto ou Lisboa?
Não vão muitos Portugueses a Espanha e a Inglaterra?
Eu li o comentário da Maria com interesse, como leio geralmente comentários de bloguers que me merecem respeito e consideração. E são, felizmente, todos com uma ou duas excepções...
Mas, Dino_Sauro se você ler o meu curto comentário não encontra ali nada onde eu diga que o Dr. Octávio Cunha está ao serviço de CC!
A terminar renovo o que disse relativamente à reorganização dos serviços de maternidade: o argumento de falta de segurança não é o que mais pesa na decisão do Governo.
Até porque não encontramos essa mesma preocupação em relação a muitas outras situações onde existe falta de segurança e qualidade.

11:26 da manhã  
Blogger tonitosa said...

Dino_Sauro,
Só apenas mais uma pequena nota: Não tenho ideia de alguma vez ler um texo seu onde se manifestasse contra as críticas a LFP.
Se estiver enganado, peço desde já desculpa.
Eu, meu caro, já aqui defendi algmas das decisões de CC. E fá-lo-ei sem qualquer problema.
Mas nunca me verão "atacar" o Homem, António Fernando Correia de Campos.
E acrescento ainda: a política só me interessa enquanto gestão dos negócios do Estado ao serviço dos cidadãos, do bem-estar e da justiça social. Obviamnete que os pontos de vista de todos nós não são unânimes.

11:46 da manhã  
Blogger Dino_Sauro said...

Caro Tonitosa:

Vamos em primeiro lugar ao que lhe interessa. Não se lembra de nenhum comentário meu, criticando os críticos de LFP. Nem se lembrará também de que eu tenha feito algum comentário criticando LFP.A razão é simples: quando LFF era Ministro eu não frequentava o blog.
Mas, para que não lhe subsistam dúvidas, devo dizer que, quanto à decisão mais mediática de LFP, a criação dos Hospitais SA, considero que globalmente foi uma aposta positiva. E que sempre desvalorizei as acusações de “contas marteladas”, frequentemente dirigidas àqueles hospitais.
Quem conhece bem os serviços sabe que os Directores Financeiros dos Hospitais são, na generalidade, pessoas competentes e sérias. Para além disso, nos hospitais SA, tal como nos hospitais EPE, as contas são auditadas por Revisores Oficiais de Contas o que é mais uma garantia de rigor.
O exemplo de Prof. Manuel Antunes foi propositadamente excessivo para ver se, duma vez por todas, você resolve aceitar que a concentração de serviços raros é um imperativo técnico. Mas o Tonitosa resolveu dar mais um tiro e pronto …lá caiu outro pardal. Então quer agora ter “Manueis Antunes” espalhados pelo país! O nosso problema é exactamente o contrário: duplicar centros de transplante hepático, por exemplo, com graves consequências na qualidade e na economia. O que é curioso, neste caso, é que qualidade e economia andam de mãos dadas.
Já sei que não se revê em Albino Aroso, mas vale a pena ler as três primeiras páginas do Público de hoje (15 de Maio de 2006) e o excelente Editorial de José Manuel Fernandes.
Em 1970 éramos o país da Europa com a mais elevada taxa de mortalidade infantil. Hoje temos uma das taxas mais baixas da OCDE. Fomos mesmo o país da OCDE com a maior percentagem de diminuição (93%).
Como foi isto possível? Cumprindo o programa da Comissão de Saúde Materno Infantil. As políticas seguidas pelo Ministério são as recomendadas pelos técnicos que integram a actual comissão e que mantêm uma coerência de propósitos pouco vulgar em Portugal.
Pode discutir-se o tempo e o modo como as políticas estão a ser implementadas. Agora que as próprias políticas sejam postas em causa, depois dos brilhantes resultados obtidos, não deixa de ser espantoso. Mas enfim, presunção e água benta…

7:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home