sexta-feira, fevereiro 26

ADSE

Filhos dos funcionários públicos vão ter direito à ADSE até aos 30 anos
Até agora, os benefícios abrangiam os filhos dependentes até aos 26 anos. Para além do alargamento até aos 30 anos, o Ministério da Saúde está a avaliar a possibilidade de incluir cônjuges.
Os filhos dos funcionários públicos com menos de 30 anos vão poder beneficiar do subsistema de saúde da ADSE. O Ministério da Saúde confirmou este alargamento ao Público e ao Jornal de Negócios.
As regras atuais abrangem os descendentes até aos 26 anos. Este alargamento de quatro anos só se aplica aos filhos dos titulares que vivam com os pais e não estejam a trabalhar.
Para além desta mudança, o Governo está a estudar outros cenários. O subsistema de saúde pode vir a ser alargado aos cônjuges dos funcionários públicos e pode também vir a ser aplicado ao setor empresarial do Estado e de outras instituições públicas.
Já quanto aos descontos para a ADSE, o gabinete do ministro Adalberto Campos Fernandes garante que não há mexidas; os beneficiários vão continuar a pagar 3,5% do salário.
TSF, 23.02. 2016
Pela mão da coligação de esquerda, quem diria!!!! 
Com os aplausos da Frente Comum da Função Pública, a ADSE robustece-se e, imagino, os grupos económicos privados da saúde esfregam as mãos de contentes. Enquanto tal, o comum dos cidadãos, servido por um SNS de cinto apertado, assiste à elitização dos cuidados de saúde.
E não há quem explique que vai haver um fim de festa! Quem lhes diga que as mutuas nunca sobreviveram no confronto com as seguradoras. Como aconteceu, por exemplo, nos EUA e que vai seguramente acontecer entre nós. Porque as mutuas, para quem se desconta, solidariamente, em percentagem do que se ganha e não em função do risco, vão sendo desnatadas dos beneficiários saudáveis pelas seguradoras? Que, sobrando os mais idosos e os mais doentes, os prémios vão aumentando e a falência a prazo é certa?
Quem explique que a ADSE é ainda excedentária porque foi financiada durante muitos anos pelo orçamento de estado. Que terminada a mama, indefesa, sugada avidamente pelos privados, pouco tempo irá aguentar-se?
E que no final da festa sobrará um SNS ainda mais pobre porque um serviço de saúde para pobres será sempre um pobre serviço nacional de saúde? 


Tavisto

Etiquetas: ,

4 Comments:

Blogger DrFeelGood said...

Reforma sem crispação. Será disto que se trata?

2:28 da tarde  
Blogger relogiosolar said...

Quando é que Portugal vai ter um seguro de saúde unico e igual para todos?

10:25 da manhã  
Blogger Unknown said...

Questão: quando um benificiário da ADSE vai ao SNS, a ADSE paga ao SNS o real valor do acto médico (como assumo que faça aos privados) ?

4:29 da tarde  
Blogger Tavisto said...

A resposta à pergunta formulada por Unknown é não. A ADSE e demais subsistemas públicos, não só não pagam o acto médico como é o SNS a suportar os custos da medicação prescrita.

6:38 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home